Pular para o conteúdo
Insights > Esportes e jogos

Além do meu avatar: Jogos na comunidade LGBTQ+

Leitura de 3 minutos | Ryan Snyder, Diretor, Nielsen Games | Julho 2022

Quando comecei a jogar videogames, tudo tinha a ver com fuga: fugir das pressões da escola e da sociedade e desaparecer em outro mundo onde pude interpretar um personagem diferente de mim.

À medida que cresci e me tornei mais confiante em mim mesmo e em minha identidade como homem bicha, o jogo não é mais uma questão de fuga - é uma questão de conexão. É a maneira de eu manter contato com meus amigos do mundo todo, ou até mesmo apenas no fim do caminho. E eu não estou sozinho. Dados os desafios que as pessoas LGBTQ+ enfrentam na vida cotidiana, os jogos nos dão um lugar para sermos quem somos, e construir uma comunidade que nos permite nos expressar em um espaço seguro. 

Dentro desses espaços, nossos avatares digitais são como nos representamos, e nos últimos anos a simulação e os jogos de role-playing em particular têm expandido sua gama de personagens LGBTQ+. De acordo com uma pesquisa recente da Nielsen Games, os jogadores LGBTQ+ têm 29% mais probabilidade de jogar role-playing games e 54% mais probabilidade de jogar jogos de simulação do que a população em geral.

Enquanto o mais recente relatório internacional da Nielsen sobre LGBTQ+ constatou que as percepções da inclusão LGBTQ+ na mídia estão melhorando, essa inclusão é inclinada principalmente para os gays e lésbicas. O mundo dos jogos está contrariando essa tendência, com novos títulos populares como Overwatch 2 e Spirit Swap explorando outras identidades queer.

Mas as plataformas de jogos não são a única forma de conexão dos jogadores LGBTQ+. Mais de 40% dos gamers LGBTQ+ assistem a trailers de videogames e 80% estão no YouTube, dando aos editores de jogos a oportunidade de anunciar ou participar da conversa durante os liveestreams para estabelecer uma conexão mais profunda com a comunidade.

Este progresso na representação LGBTQ+ nos jogos é o trabalho de muitas pessoas e aliados na comunidade de jogos, mas também de grupos como a GLAAD que têm pressionado para uma mudança positiva em todas as plataformas de mídia. A mídia social é uma das plataformas mais inclusivas para as pessoas LGBTQ+ e os gamers LGBTQ+ estão se sintonizando mais nos canais sociais como Twitter, Discord e TikTok do que a população em geral.

Recentemente encontrei a Qweerty Gamers no Twitter, uma organização sem fins lucrativos focada em nivelar a representação LGBTQ+ na comunidade de jogos. Com a crise de saúde mental impactando tantos jovens, especialmente na comunidade queer, o grupo tem usado sua influência para aumentar a conscientização e apoiar os jovens que estão lutando. É uma maneira poderosa para os jogadores LGBTQ+ ajudarem as pessoas em crise, proporcionando um espaço seguro para conexão e apoio.

Os universos virtuais nos videogames oferecem a oportunidade para as pessoas LGBTQ+ expressarem nossa identidade, e os avatares e add-ons de jogos ajudam nossos eus digitais a refletir nossa singularidade da vida real. Os jogadores LGBTQ+ gastam 65% mais do que a população em geral - cerca de US$ 28 por mês - em acessórios de videogame personalizados, outra forma de expressar nossa identidade através de fichas compartilhadas que conectam você a outros na comunidade. Para os jogadores LGBTQ+, jogar não se trata apenas de ganhar e perder, mas de ser tudo o que você pode ser.

Continuar navegando pelos mesmos tópicos