Pular para o conteúdo
Insights > Mídia

Tela pequena, imagem grande: Olhando os gêneros de programação através de uma lente com mudança de tempo

Leitura de 3 minutos | Outubro 2019

Com mais conteúdo hoje do que a maioria de nós sabe o que fazer com, o que define um sucesso é sem dúvida diferente de 20 ou 30 anos atrás. Mas COMO definimos um sucesso é talvez mais importante.

Afinal de contas, diferentes tipos de programação se sobrepõem a diferentes tipos de comportamento visual - desde a ação ao vivo e obrigatória de um evento esportivo até a experiência do consumidor cuidadosamente curada de um drama, que pode estar sentado naquela "prateleira" do DVR como um espectador espera pelo momento perfeito da semana para desarrolhá-lo. 

Quando o setor de mídia - sejam os críticos que tecem métricas de visualização para complementar seu POV para os tomadores de decisão de programação que pesam as classificações -, considerando a definição de um sucesso em termos de medição, é crucial que o público visitante completo seja considerado. Qualquer coisa a menos seria um pouco míope para os criadores de conteúdo que operam em uma luva publicitária de 72 bilhões de dólares, bem como para os fãs que simplesmente podem não ser capazes de fazer a transmissão ao vivo e optar por esta visualização atrasada. 

Simplificando, quando todos os telespectadores são importantes, todas as visualizações também devem ser importantes. Considerando que no primeiro trimestre de 2019, os adultos americanos (18+) passavam quase quatro horas por semana assistindo à visualização atrasada, ou deslocada no tempo (via VOD ou DVR), a contabilização desse tempo é uma consideração crítica.

A Nielsen investigou como os consumidores se inclinam para a visualização retardada do conteúdo da TV por meio de transmissão e cabo e descobriu que a proliferação de formas de visualizar o conteúdo também ajudou a influenciá-los a serem telespectadores mais pacientes, sintonizando ao vivo no passado, no mesmo dia e até mesmo em sete dias.

De fato, entre todos os gêneros de programação no início da última temporada de televisão (1 de outubro a 30 de dezembro de 2018), a visualização tradicional além da transmissão ao vivo ou no mesmo dia, até 35 dias, na verdade proporcionou um aumento de 10% na visualização. Isso representa uma média de mais 2,7 milhões de telespectadores conectados com este conteúdo além da transmissão ao vivo ou SD! E entre pessoas entre 18 e 49 o elevador é maior com 14%, ou 1,1 milhões de telespectadores, respectivamente, no mesmo período de tempo.

Esta tendência se torna mais pronunciada, porém, dependendo de gêneros específicos de programação e da demonstração que está usando opções de visualização retardada.

Por exemplo, durante o mesmo período no quarto trimestre de 2018, a visualização atrasada além do Live+SD e até 35 dias ajudou a elevar em 40% as classificações para dramas de horário nobre entre todas as pessoas e em 65% entre os consumidores 18-49. Olhando para alguns dos tipos de programas mais populares entre os consumidores, descobriu-se que mesmo no extremo inferior do espectro, além da visualização no mesmo dia, a taxa de aumento de 20%.

Para os marqueteiros que procuram alcançar e ativar audiências que, por sua vez, procuram ativamente o conteúdo, ser capaz de entender e se conectar com um grupo de telespectadores engajados é uma oportunidade que pode ser difícil de ser desperdiçada. Por outro lado, os proprietários de conteúdo ou aqueles que procuram alavancar dados, desde equipes de pesquisa até veículos de mídia, têm um ímpeto para levar em conta o valor agregado que a visualização atrasada muitas vezes traz e não descontar o quadro completo de visualização.

Continuar navegando pelos mesmos tópicos